domingo, 4 de março de 2018

AMALA E KAMALA: as meninas-lobo

Na Índia, onde os casos de meninos-lobo foram relativamente numerosos, descobriram-se em 1920, duas crianças, Amala e Kamala, vivendo no meio de uma família(?) de lobos. A primeira tinha um ano e meio e veio a morrer um ano mais tarde. Kamala, de oito anos de idade, viveu até 1929. Não tinham nada de humano e seu comportamento era exatamente semelhante àquele de seus irmãos lobos.

Elas caminhavam de quatro, apoiando-se sobre os joelhos e cotovelos para os pequenos trajetos e sobre as mãos e os pés para os trajetos longos e rápidos.

Eram incapazes de permanecer em pé. Só se alimentavam de carne crua ou podre. Comiam e bebiam como os animais, lançando a cabeça para a frente e lambendo os líquidos. Na instituição onde foram recolhidas, passavam o dia acabrunhadas e prostradas numa sombra. Eram ativa e ruidosas durante a noite, procurando fugir e uivando como lobos. Nunca choravam ou riam.

Kamala viveu oito anos na instituição que a acolheu, humanizando-se (?) lentamente. Necessitou de seis anos para aprender a andar e, pouco antes de morrer, tinha um vocabulário de apenas cinqüenta palavras. Atitudes afetivas foram aparecendo aos poucos. Chorou pela primeira vez por ocasião da morte de Amala e se apegou lentamente às pessoas que cuidaram dela bem como às outra com as quais conviveu. Sua inteligência permitiu-lhe comunicar-se por gestos, inicialmente, e depois por palavras de um vocabulário rudimentar, aprendendo a executar ordens simples”.

LEYMOND, B. Le development social de l’enfant et del’adolescent. Bruxelles: Dessart, 1965. p 12-14.

“O relato acima descreve um fato verídico e permite entender em que medida as características humanas dependem do convívio social. Amala e Kamala, as meninas-loba da Índia, por terem sido privadas do contato com outras pessoas, não conseguiram se humanizar: não aprenderam a se comunicar através da fala, não foram ensinadas a usar determinados utensílios, não desenvolveram processos de pensamento lógico...”

DAVIS, Cláudia; OLIVEIRA, Zilma de. Psicologia na educação. São Paulo: Cortez: 1990. p 16-17 

Veja: A história das meninas-lobo como farsa

sábado, 3 de março de 2018

quarta-feira, 4 de abril de 2012

Introdução a História do Esoterismo e do Ocultismo no mundo Ocidental


A Renascença

Foi durante a Europa Renascentista entre os séculos XIV e XVI, que a sabedoria dos povos Egipicios, Gregos e Romanos retornam as discussões Filosóficas. Estes conhecimentos contribuíram para o desenvolvimento da Europa, e levaram o mundo europeu a um paradigma entre o Teocentrismo e o Antropocentrismo.

Os pensadores da Renascença dedicam-se a retomar as idéias, os valores da antiguidade clássica em especial Grecia e Roma.

Ocorre uma valorização da dignidade humana, da beleza estética e do conhecimento. O pensamento da Renascença tem como base as idéias humanistas, estes defendiam que era preciso observar o mundo material, criando ferramentas para que o ser humano controla-se a natureza.

O homem deveria agir, pesquisar, descobrir e principalmente acreditar em sua capacidade de transformar o mundo a sua volta e a ele mesmo.

Não estaria mais limitado aos desejos de Deus.

É o fim do teocentrismo e o início do antropocentrismo – O homem como o centro do Universo.

Diante deste contexto histórico que os interesses pelos mistérios do Egito e do conhecimento antigo do mundo Greco romano vai ganhando força.

Começa a surgir uma literatura alquimista, que surge através de seus representantes mais ilustre como: Paracelso.

Esta literatura possue uma linguagem de grande riqueza sugestiva, e pelos recursos e alegorias. O que muitas vezes torna o entendimento difícil para pessoas que não estão familiarizadas com a simbologia, existente.

A linguagem oculta com uma áurea hieroglífica, protegia esses alquimistas das perseguições da igreja católica.

A igreja e seu tribunal da inquisição, não compreendiam as experiências dos alquimistas seu trabalho interno de transformar o “metal bruto em ouro”.Muitos desses filósofos e alquimistas foram condenados pelo Santo Ofício, e morreram nas fogueiras da Inquisição.

Na Renascença o esoterismo e o misticismo andavam lado a lado com a ciência. Existia uma visão holísitica que buscava um entendimento integral e não fragmentado.

O esoterismo que nasce na renascença conciliou os princípios de diversas doutrinas:

Zoroastrismo: com o retorno aos textos clássicos da Grécia, os ensinamentos de Zaratustra conhecido pelos gregos como Zoroastro começa a ser discutido no mundo cristão.

O Hermetismo: Que é o estudo dos ensinamentos e da sabedoria de Hermes Trimegisto, o patriarca do misticismo da natureza e da Alquimia.

Hermes o Deus alado mensageiro dos deuses e Deus Egipcio o “três vezes altíssimo”.

Para os alquimistas da renascença era considerado o Moisés que transmitia seus conhecimentos através da Tabua de Esmeralda, e do compêndio de seus ensinamentos intitulado CABALION.

Toda experiência mística da renascença bebeu da sabedoria de Hermes Trimegisto.

O neoplatonismo foi outro princípio renascido pelos esoteristas desse período. Estes acreditavam que a perfeição Humana e a felicidade poderiam ser obtidas neste mundo, e que alguém não precisaria esperar uma pós-vida.

Perfeição e felicidade poderiam ser adquiridas pela devoção e contemplação filosófica.

Algumas das idéias neoplatonicas influenciaram o pensamento dos judeus Cabalistas da França e da Espanha.

O neopitagorismo inspirado nos ensinamentos de Pitagoras, Platão e Aristoteles.

Os ensinamentos da escola pitagórica são novamente debatidos. O símbolo dos pitagóricos: O pentagrama ou estrela de cinco pontas considerado um símbolo sagrado.

Outro conhecimento místico muito estudado durante esta época foi a a Cabala Judaica, uma dos segmentos místicos do judaísmo, iniciou-se na França e em seguida foi estudada pelos judeus da península Ibérica.

A cabala estava presente no mundo europeu desde a Idade Média, em especial na Penisula Iberica Espanha e Portugal.

A magia e a alquimia, viseram parte desse mosaico de doutrinas, e princípios que abriram as portas para um conhecimento mais holístico e completo sobre o Homem e o Universo.

Toda essa sabedoria que os Homens da Renascença estavam descobrindo, prejudicava completamente os dogmas da Igreja Católica, que durante toda Idade Méida centralizou o conhecimento, e nos séculos XIV e XVI viu florescer o que haviam escondido.

A igreja católica perseguiu e condenou os que colocavam em dúvida seus dogmas.

Todo esses ensinamentos e sabedorias foram marginalizados e seus pensadores foram perseguidos e considerados feiticeiros, bruxos e magos.

Os alquimistas foram acusados, de trazerem para o mundo cristão o paganismo. Aos poucos esta sabedoria voltou a ser oculta e cheia de mistérios e segredos para se ter acesso.

Com o iluminismo durante o século XVIII, conhecido como a era da razão, as doutrinas e conhecimentos esotéricos e místicos foram colocados a margem da ciência.

Devido a perseguição da Igreja os conhecimentos esotéricos acabaram tornando-se Herméticos e ocultos. Aos poucos foram organizados ordens onde o conhecimento podia ser passado para os iniciados:Ordem Rosa Cruz e Maçonaria.

segunda-feira, 6 de setembro de 2010

Século XXI, Século da Espiritualidade?

A característica básica do século XXI será a consolidação do processo de globalização. Esse fenômeno deve ser corretamente entendido. Ele não é apenas um dado econômico, político e cultural, afetando os seres humanos. Ele tem a ver com a história da própria Terra como Planeta. Mais e mais ganha adesão na consciência coletiva que a Terra é um superorganismo vivo que tem bilhões de anos de evolução e de história. A Terra é parte da história do universo; vida é parte da história da Terra e a vida humana é parte da história da vida. Cosmos, Terra, vida e humanidade não são realidades justapostas mas formam um todo orgânico.Como humanos, somos filhos e filhas da Terra, melhor ainda, somos a própria Terra que chegou ao seu momento de consciência, de sentimento, de liberdade e de responsabilidade. A globalização se insere dentro desta perspectiva universal. Os seres humanos que estavam dispersos em suas culturas, confinados em suas linguas e estados-nações, agora estão voltando de seu longo exílio rumo à casa comum que é o Planeta Terra. A globalização representa esse momento novo da Terra e da espécie humana. Todos se encontram como num único lugar: no Planeta Terra. A partir de agora não haverá tanto a história da Alemanha ou do Brasil, mas a história da humanidade unificada e globalizada, unida com a história da Terra.
Esse fenômeno novo foi detectado com grande impacto emocional pelos astronautas em suas naves espaciais ou da Lua. Muitos deles, pasmados, confessaram: "daqui da Lua não há distinção entre russos e norte-americanos, entre brancos e negros, entre Terra e humanidade; somos uma única realidade viva, irradiante e frágil como uma bola de Natal dependurada no fundo negro do universo; temos o mesmo destino comum; devemos aprender a amar a Terra como a nossa Casa Comum".
A globalização traz consigo uma consciência planetária. Temos apenas esse Planeta para morar. Importa cuidar dele como cuidamos de nossas casas e de nossos corpos. E estamos todos ameaçados seja pelo arsenal de armas nucleares e químicas já construidas e armazenadas que podem destruir a biosfera, seja pela sistemática agressão aos ecosistemas que colocam em risco o futuro do Planeta. Desta vez não haverá uma arca de Noé que salve alguns e deixe pereceber os demais. Ou nos salvamos todos, biosfera e humanos, ou pereceremos todos.
Essa consciência coletiva forçará a criação de orgnismos internacionais destinados a gerenciar os interesses coletivos destinados a garantir um destino comum para todos e para o Planeta. Mais e mais nos sentiremos como uma única sociedade mundial, una pelas convergências comuns e diversa pelas expressões culturais diferentes de realizar essa unidade. Sentir-nos-emos como uma única família, a família dos humanos. Esse sentimento de família irá criar uma nova solidariedade. O escândalo de dois terços da humanidade, feita de pobres e marginalizados será tido como intolerável. Far-se-ão políticas globais para criar um tipo de sociedade mundial na qual todos possam caber com um mínimo de dignidade. Haverá mais justiça societária e menos violência no mundo.
O fenômeno da globalização e de sua correspondente consciência planetária dão origem a um outro paradigma civilizacional. Ele se caracteriza por um novo modo de relacionar-se com a natureza e com os povos, por uma nova forma de produção, por uma redefinição da subjetividade humana e do trabalho. Vamos considerar alguns destes pontos.
Na medida em que cresce a consciência planetária cresce também a convicção de que a questão do meio-ambiente, da ecologia, é o contexto de tudo, das políticas públicas, da indústria, da educação e das relações internacionais. Os recursos não renováveis estão se exaurindo e o equilíbrio físico-químico do Planeta está profundamente afetado. Ou mudamos de padrão de comportamento para com a natureza ou vamos ao encontro do pior. Por isso a sociedade do século XXI consumirá com mais responsabilidade. Fará uma nova aliança de respeito e de veneração com a natureza. O desenvolvimento se fará com a natureza e não contra ela ou à custa dela, como se fez durante séculos.
Haverá um pacto social mundial entre os povos baseado em três valores fundamentais que todos assumirão: (1) salvaguardar as condições para que o Planeta Terra possa continuar a existir e a co-evoluir; (2) garantir o futuro da espécie humana como um todo e as condições de seu ulterior desenvolvimento;(3) preservar a paz perpétua entre os povos como um meio de solução de todos os conflitos que sempre existirão.
A sociedade do século XXI será profundamente uma sociedade do conhecimento, da informação e da automação. Terá incorporado socialmente a nova natureza do processo tecnológico. A tecnologia inaugura uma nova história. Até agora as sociedades se construiram sobre a força do trabalho humano, completado e potenciado pela máquina. O trabalho construíu tudo, modificiou a natureza e originou a cultura. Agora o robot e os computadores substituem o ser humano. Milhões de trabalhadores são dispensados. Nem sequer entram a compor o exército de reserva de mão de obra a serviço do capital. São excluidos do processo produtivo.
Como ocupá-los com sentido? Como passar do pleno emprego para a plena atividade? Os trabalhadores deverão ser flexíveis, mostrar habilidade para trabalhos e atividades produtivas não vinculadas ao mercado. Possivelmente o ministério da cultura e do desporto será um dos ministérios mais importantes dos governos futuros, pois eles deverão criar alternativas de ocupação para milhões que estarão fora do mercado do trabalho assalariado. Por outra parte, o trabalho, libertado do regime de salário, assumirá seu sentido originário de atividade plasmadora da natureza a partir da criatividade humana. Os autômatos libertarão o ser humano do regime da necessidade de ter que trabalhar para viver. Eles inauguram o regime de liberdade que permite ao ser humano expressar-se de uma forma que somente ele, sujeito livre e criativo, poderá fazer.
A nova relação para com a natureza no sentido de um reencantamento e de maior benevolência fará que milhões trocarão as cidades pela vida no campo ou em cidades menores integradas ecologicamente com o meio-ambiente. A preocupação pela qualidade de vida fará que as megalópoles sejam transformadas profundamente pela recuperação dos rios, das paisagens, da pureza da atmosfera e de sua riqueza cultural.
A automação do processo produtivo que aludimos acima abrirá um espaço muito grande para a liberdade humana, para o tempo livre e para o lazer. O encontro das culturas mostrará formas diferentes de sermos humanos O homem terá menos coações sociais e mais liberdade para decidir seu projeto pessoal. Os valores da subjetividade, a singularidade de cada pessoa, suas preferências e filosofias de vida serão vistos positivamente como riqueza e não como ameaça à unidade humana. O ser humano, devido à educação ecológica incorporada em todas as instâncias, será mais sensível, mais compassivo, mas respeitoso e mais cooperativo.
A liberdade conquistada redefinirá o estatuto da família. Ela não se ordena, primeiramente, à procriação. Ela será o espaço onde a experiência do amor e da intimidade poderá ganhar estabilidade e se transformar num projeto a dois. As coações sociais e legais continuarão, pois a história da desigualdade e até de guerra entre os sexos possui milhares de anos e se cristalizou em arquétipos do inconsciente coletivo e em certos padrões de comportamento social. Mas de forma crescente os parceiros organizam suas relações de forma mais igualitária e democrática como expressão criativa de seus sentimentos e menos como ajustamento a imposições sociais.
Talvez uma das transformações culturais mais importantes no século XXI será a volta da dimensão espiritual na vida humana. O ser humano não é somente corpo que é parte do universo material. Não é também apenas psiqué, expressão da complexidade da vida que se sente a si mesmo, se torna consciente e responsável. O ser humano é também espírito, aquele momento da consciência no qual ele se sente parte e parcela do Todo, ligado e re-ligado a todas as coisas. É próprio do espírito colocar questões radicais sobre nossa origem e nosso destino e se perguntar pelo nosso lugar e pela nossa missão no conjunto dos seres do universo. Pelo espírito o ser humano decifra o sentido da seta do tempo ascendente e se inclina, reverente, face Àquele mistério que tudo colocou em marcha. Ousa chamá-lo por mil nomes ou simplesmente diz Deus.
Mais do que religião o ser humano busca espiritualidade. A religião codifica uma experiência de Deus e dá-lhe a forma de poder religioso, doutrinário, moral e ritual A espiritualidade se orienta pela experiência de encontro vivo com Deus, prescindo do poder religioso. Esse encontro é vivido como gerador de grande sentido e de entusiasmo para viver.
O século XXI será um século espiritual que valorizará os muitos caminhos espirituais e religiosos da humanidade ou criará novos. Essa espiritualidade ajudará a humanidade a ser mais corresponsável com seu destino e com o destino da Terra, mais reverente face ao mistério do mundo e mais solidária para com aqueles que sofrem. A espiritualidade dará leveza à vida e fará que os seres humanos não se sintam condenados a um vale de lágrimas mas se sintam filhos e filhas da alegria de viver juntos nesse mundo.
LEONARDO BOFF
EXTRAIDO DO SITE: http://leonardoboff.com/

terça-feira, 17 de agosto de 2010

JORNADA MÍSTICA


Entender o significado da vida e procurar vencer os obstáculos que surgem a todo o instante, são alguns dos objetivos de nossa existência. Entender as mensagens que se encontram ocultas muitas vezes em coisas bastante simples, é despertar para um mundo que estava adormecido dentro de nós.
O grande e maior mistério de nosso planeta e do universo, somos nós mesmos, o laboratório mais importante de pesquisa encontra-se em nosso interior, quando conseguimos despertar para o universo interno somos capazes de descobrir verdades universais. A busca dos mistérios da vida devem ser buscados no trabalho interno.
IRICI FELIPE BORGES FRANCO

JORNADA MÍSTICA

A verdade muitas vezes esta do nosso lado e não conseguimos enchergar, as vezes o problema que necessitamos transcender esta do nosso lado e não notamos.

O homem ocidental perdeu a capacidade de reservar alguns minutos para encontrar-se consigo mesmo.

Não existe a evolução espiritual sem o convívio em fraternidade.
Nossos pensamentos exercem grande influência sobre nossa personalidade, ou seja “Somos o que Pensamos”, nossa imagem e atitude são reflexo de nossos pensamentos, devemos canalizar nossos pensamentos para aspectos positivos.

O caminho espiritual não é um caminho de isolamento, é justamente no convívio social que poderemos evoluir na senda.

IRICI FELIPE BORGES FRANCO