Videos Recomendados

Loading...

quarta-feira, 4 de abril de 2012

Introdução a História do Esoterismo e do Ocultismo no mundo Ocidental


A Renascença

Foi durante a Europa Renascentista entre os séculos XIV e XVI, que a sabedoria dos povos Egipicios, Gregos e Romanos retornam as discussões Filosóficas. Estes conhecimentos contribuíram para o desenvolvimento da Europa, e levaram o mundo europeu a um paradigma entre o Teocentrismo e o Antropocentrismo.

Os pensadores da Renascença dedicam-se a retomar as idéias, os valores da antiguidade clássica em especial Grecia e Roma.

Ocorre uma valorização da dignidade humana, da beleza estética e do conhecimento. O pensamento da Renascença tem como base as idéias humanistas, estes defendiam que era preciso observar o mundo material, criando ferramentas para que o ser humano controla-se a natureza.

O homem deveria agir, pesquisar, descobrir e principalmente acreditar em sua capacidade de transformar o mundo a sua volta e a ele mesmo.

Não estaria mais limitado aos desejos de Deus.

É o fim do teocentrismo e o início do antropocentrismo – O homem como o centro do Universo.

Diante deste contexto histórico que os interesses pelos mistérios do Egito e do conhecimento antigo do mundo Greco romano vai ganhando força.

Começa a surgir uma literatura alquimista, que surge através de seus representantes mais ilustre como: Paracelso.

Esta literatura possue uma linguagem de grande riqueza sugestiva, e pelos recursos e alegorias. O que muitas vezes torna o entendimento difícil para pessoas que não estão familiarizadas com a simbologia, existente.

A linguagem oculta com uma áurea hieroglífica, protegia esses alquimistas das perseguições da igreja católica.

A igreja e seu tribunal da inquisição, não compreendiam as experiências dos alquimistas seu trabalho interno de transformar o “metal bruto em ouro”.Muitos desses filósofos e alquimistas foram condenados pelo Santo Ofício, e morreram nas fogueiras da Inquisição.

Na Renascença o esoterismo e o misticismo andavam lado a lado com a ciência. Existia uma visão holísitica que buscava um entendimento integral e não fragmentado.

O esoterismo que nasce na renascença conciliou os princípios de diversas doutrinas:

Zoroastrismo: com o retorno aos textos clássicos da Grécia, os ensinamentos de Zaratustra conhecido pelos gregos como Zoroastro começa a ser discutido no mundo cristão.

O Hermetismo: Que é o estudo dos ensinamentos e da sabedoria de Hermes Trimegisto, o patriarca do misticismo da natureza e da Alquimia.

Hermes o Deus alado mensageiro dos deuses e Deus Egipcio o “três vezes altíssimo”.

Para os alquimistas da renascença era considerado o Moisés que transmitia seus conhecimentos através da Tabua de Esmeralda, e do compêndio de seus ensinamentos intitulado CABALION.

Toda experiência mística da renascença bebeu da sabedoria de Hermes Trimegisto.

O neoplatonismo foi outro princípio renascido pelos esoteristas desse período. Estes acreditavam que a perfeição Humana e a felicidade poderiam ser obtidas neste mundo, e que alguém não precisaria esperar uma pós-vida.

Perfeição e felicidade poderiam ser adquiridas pela devoção e contemplação filosófica.

Algumas das idéias neoplatonicas influenciaram o pensamento dos judeus Cabalistas da França e da Espanha.

O neopitagorismo inspirado nos ensinamentos de Pitagoras, Platão e Aristoteles.

Os ensinamentos da escola pitagórica são novamente debatidos. O símbolo dos pitagóricos: O pentagrama ou estrela de cinco pontas considerado um símbolo sagrado.

Outro conhecimento místico muito estudado durante esta época foi a a Cabala Judaica, uma dos segmentos místicos do judaísmo, iniciou-se na França e em seguida foi estudada pelos judeus da península Ibérica.

A cabala estava presente no mundo europeu desde a Idade Média, em especial na Penisula Iberica Espanha e Portugal.

A magia e a alquimia, viseram parte desse mosaico de doutrinas, e princípios que abriram as portas para um conhecimento mais holístico e completo sobre o Homem e o Universo.

Toda essa sabedoria que os Homens da Renascença estavam descobrindo, prejudicava completamente os dogmas da Igreja Católica, que durante toda Idade Méida centralizou o conhecimento, e nos séculos XIV e XVI viu florescer o que haviam escondido.

A igreja católica perseguiu e condenou os que colocavam em dúvida seus dogmas.

Todo esses ensinamentos e sabedorias foram marginalizados e seus pensadores foram perseguidos e considerados feiticeiros, bruxos e magos.

Os alquimistas foram acusados, de trazerem para o mundo cristão o paganismo. Aos poucos esta sabedoria voltou a ser oculta e cheia de mistérios e segredos para se ter acesso.

Com o iluminismo durante o século XVIII, conhecido como a era da razão, as doutrinas e conhecimentos esotéricos e místicos foram colocados a margem da ciência.

Devido a perseguição da Igreja os conhecimentos esotéricos acabaram tornando-se Herméticos e ocultos. Aos poucos foram organizados ordens onde o conhecimento podia ser passado para os iniciados:Ordem Rosa Cruz e Maçonaria.

segunda-feira, 6 de setembro de 2010

Século XXI, Século da Espiritualidade?

A característica básica do século XXI será a consolidação do processo de globalização. Esse fenômeno deve ser corretamente entendido. Ele não é apenas um dado econômico, político e cultural, afetando os seres humanos. Ele tem a ver com a história da própria Terra como Planeta. Mais e mais ganha adesão na consciência coletiva que a Terra é um superorganismo vivo que tem bilhões de anos de evolução e de história. A Terra é parte da história do universo; vida é parte da história da Terra e a vida humana é parte da história da vida. Cosmos, Terra, vida e humanidade não são realidades justapostas mas formam um todo orgânico.Como humanos, somos filhos e filhas da Terra, melhor ainda, somos a própria Terra que chegou ao seu momento de consciência, de sentimento, de liberdade e de responsabilidade. A globalização se insere dentro desta perspectiva universal. Os seres humanos que estavam dispersos em suas culturas, confinados em suas linguas e estados-nações, agora estão voltando de seu longo exílio rumo à casa comum que é o Planeta Terra. A globalização representa esse momento novo da Terra e da espécie humana. Todos se encontram como num único lugar: no Planeta Terra. A partir de agora não haverá tanto a história da Alemanha ou do Brasil, mas a história da humanidade unificada e globalizada, unida com a história da Terra.
Esse fenômeno novo foi detectado com grande impacto emocional pelos astronautas em suas naves espaciais ou da Lua. Muitos deles, pasmados, confessaram: "daqui da Lua não há distinção entre russos e norte-americanos, entre brancos e negros, entre Terra e humanidade; somos uma única realidade viva, irradiante e frágil como uma bola de Natal dependurada no fundo negro do universo; temos o mesmo destino comum; devemos aprender a amar a Terra como a nossa Casa Comum".
A globalização traz consigo uma consciência planetária. Temos apenas esse Planeta para morar. Importa cuidar dele como cuidamos de nossas casas e de nossos corpos. E estamos todos ameaçados seja pelo arsenal de armas nucleares e químicas já construidas e armazenadas que podem destruir a biosfera, seja pela sistemática agressão aos ecosistemas que colocam em risco o futuro do Planeta. Desta vez não haverá uma arca de Noé que salve alguns e deixe pereceber os demais. Ou nos salvamos todos, biosfera e humanos, ou pereceremos todos.
Essa consciência coletiva forçará a criação de orgnismos internacionais destinados a gerenciar os interesses coletivos destinados a garantir um destino comum para todos e para o Planeta. Mais e mais nos sentiremos como uma única sociedade mundial, una pelas convergências comuns e diversa pelas expressões culturais diferentes de realizar essa unidade. Sentir-nos-emos como uma única família, a família dos humanos. Esse sentimento de família irá criar uma nova solidariedade. O escândalo de dois terços da humanidade, feita de pobres e marginalizados será tido como intolerável. Far-se-ão políticas globais para criar um tipo de sociedade mundial na qual todos possam caber com um mínimo de dignidade. Haverá mais justiça societária e menos violência no mundo.
O fenômeno da globalização e de sua correspondente consciência planetária dão origem a um outro paradigma civilizacional. Ele se caracteriza por um novo modo de relacionar-se com a natureza e com os povos, por uma nova forma de produção, por uma redefinição da subjetividade humana e do trabalho. Vamos considerar alguns destes pontos.
Na medida em que cresce a consciência planetária cresce também a convicção de que a questão do meio-ambiente, da ecologia, é o contexto de tudo, das políticas públicas, da indústria, da educação e das relações internacionais. Os recursos não renováveis estão se exaurindo e o equilíbrio físico-químico do Planeta está profundamente afetado. Ou mudamos de padrão de comportamento para com a natureza ou vamos ao encontro do pior. Por isso a sociedade do século XXI consumirá com mais responsabilidade. Fará uma nova aliança de respeito e de veneração com a natureza. O desenvolvimento se fará com a natureza e não contra ela ou à custa dela, como se fez durante séculos.
Haverá um pacto social mundial entre os povos baseado em três valores fundamentais que todos assumirão: (1) salvaguardar as condições para que o Planeta Terra possa continuar a existir e a co-evoluir; (2) garantir o futuro da espécie humana como um todo e as condições de seu ulterior desenvolvimento;(3) preservar a paz perpétua entre os povos como um meio de solução de todos os conflitos que sempre existirão.
A sociedade do século XXI será profundamente uma sociedade do conhecimento, da informação e da automação. Terá incorporado socialmente a nova natureza do processo tecnológico. A tecnologia inaugura uma nova história. Até agora as sociedades se construiram sobre a força do trabalho humano, completado e potenciado pela máquina. O trabalho construíu tudo, modificiou a natureza e originou a cultura. Agora o robot e os computadores substituem o ser humano. Milhões de trabalhadores são dispensados. Nem sequer entram a compor o exército de reserva de mão de obra a serviço do capital. São excluidos do processo produtivo.
Como ocupá-los com sentido? Como passar do pleno emprego para a plena atividade? Os trabalhadores deverão ser flexíveis, mostrar habilidade para trabalhos e atividades produtivas não vinculadas ao mercado. Possivelmente o ministério da cultura e do desporto será um dos ministérios mais importantes dos governos futuros, pois eles deverão criar alternativas de ocupação para milhões que estarão fora do mercado do trabalho assalariado. Por outra parte, o trabalho, libertado do regime de salário, assumirá seu sentido originário de atividade plasmadora da natureza a partir da criatividade humana. Os autômatos libertarão o ser humano do regime da necessidade de ter que trabalhar para viver. Eles inauguram o regime de liberdade que permite ao ser humano expressar-se de uma forma que somente ele, sujeito livre e criativo, poderá fazer.
A nova relação para com a natureza no sentido de um reencantamento e de maior benevolência fará que milhões trocarão as cidades pela vida no campo ou em cidades menores integradas ecologicamente com o meio-ambiente. A preocupação pela qualidade de vida fará que as megalópoles sejam transformadas profundamente pela recuperação dos rios, das paisagens, da pureza da atmosfera e de sua riqueza cultural.
A automação do processo produtivo que aludimos acima abrirá um espaço muito grande para a liberdade humana, para o tempo livre e para o lazer. O encontro das culturas mostrará formas diferentes de sermos humanos O homem terá menos coações sociais e mais liberdade para decidir seu projeto pessoal. Os valores da subjetividade, a singularidade de cada pessoa, suas preferências e filosofias de vida serão vistos positivamente como riqueza e não como ameaça à unidade humana. O ser humano, devido à educação ecológica incorporada em todas as instâncias, será mais sensível, mais compassivo, mas respeitoso e mais cooperativo.
A liberdade conquistada redefinirá o estatuto da família. Ela não se ordena, primeiramente, à procriação. Ela será o espaço onde a experiência do amor e da intimidade poderá ganhar estabilidade e se transformar num projeto a dois. As coações sociais e legais continuarão, pois a história da desigualdade e até de guerra entre os sexos possui milhares de anos e se cristalizou em arquétipos do inconsciente coletivo e em certos padrões de comportamento social. Mas de forma crescente os parceiros organizam suas relações de forma mais igualitária e democrática como expressão criativa de seus sentimentos e menos como ajustamento a imposições sociais.
Talvez uma das transformações culturais mais importantes no século XXI será a volta da dimensão espiritual na vida humana. O ser humano não é somente corpo que é parte do universo material. Não é também apenas psiqué, expressão da complexidade da vida que se sente a si mesmo, se torna consciente e responsável. O ser humano é também espírito, aquele momento da consciência no qual ele se sente parte e parcela do Todo, ligado e re-ligado a todas as coisas. É próprio do espírito colocar questões radicais sobre nossa origem e nosso destino e se perguntar pelo nosso lugar e pela nossa missão no conjunto dos seres do universo. Pelo espírito o ser humano decifra o sentido da seta do tempo ascendente e se inclina, reverente, face Àquele mistério que tudo colocou em marcha. Ousa chamá-lo por mil nomes ou simplesmente diz Deus.
Mais do que religião o ser humano busca espiritualidade. A religião codifica uma experiência de Deus e dá-lhe a forma de poder religioso, doutrinário, moral e ritual A espiritualidade se orienta pela experiência de encontro vivo com Deus, prescindo do poder religioso. Esse encontro é vivido como gerador de grande sentido e de entusiasmo para viver.
O século XXI será um século espiritual que valorizará os muitos caminhos espirituais e religiosos da humanidade ou criará novos. Essa espiritualidade ajudará a humanidade a ser mais corresponsável com seu destino e com o destino da Terra, mais reverente face ao mistério do mundo e mais solidária para com aqueles que sofrem. A espiritualidade dará leveza à vida e fará que os seres humanos não se sintam condenados a um vale de lágrimas mas se sintam filhos e filhas da alegria de viver juntos nesse mundo.
LEONARDO BOFF
EXTRAIDO DO SITE: http://leonardoboff.com/

terça-feira, 17 de agosto de 2010

JORNADA MÍSTICA


Entender o significado da vida e procurar vencer os obstáculos que surgem a todo o instante, são alguns dos objetivos de nossa existência. Entender as mensagens que se encontram ocultas muitas vezes em coisas bastante simples, é despertar para um mundo que estava adormecido dentro de nós.
O grande e maior mistério de nosso planeta e do universo, somos nós mesmos, o laboratório mais importante de pesquisa encontra-se em nosso interior, quando conseguimos despertar para o universo interno somos capazes de descobrir verdades universais. A busca dos mistérios da vida devem ser buscados no trabalho interno.
IRICI FELIPE BORGES FRANCO

JORNADA MÍSTICA

A verdade muitas vezes esta do nosso lado e não conseguimos enchergar, as vezes o problema que necessitamos transcender esta do nosso lado e não notamos.

O homem ocidental perdeu a capacidade de reservar alguns minutos para encontrar-se consigo mesmo.

Não existe a evolução espiritual sem o convívio em fraternidade.
Nossos pensamentos exercem grande influência sobre nossa personalidade, ou seja “Somos o que Pensamos”, nossa imagem e atitude são reflexo de nossos pensamentos, devemos canalizar nossos pensamentos para aspectos positivos.

O caminho espiritual não é um caminho de isolamento, é justamente no convívio social que poderemos evoluir na senda.

IRICI FELIPE BORGES FRANCO

JORNADA MÍSTICA

Quanto mais nos preocupamos com o que os outros acham de nós, menos vamos sabendo quem somos, pois deixamos de ser nós mesmos, para ser o que os outros querem que nós sejamos, descostruindo nossa próprio ser e nos afastando de nossa essência.

Quando começamos a observar nossos pensamentos, vamos gradualmente entendendo onde estamos errando. O pensamento quando criado em nossa mente ele vai ganhando força ate ele conseguir se materializar.

O fato de isolar-se para resolver um problema, nada mais é do que a fuga ou remediação dos problemas e não a cura dos mesmos.

As mudanças devem ocorrer de forma sistemática e gradual e não de forma radical, alem disso o indivíduo disposto a mudar necessita entender os motivos dessa mudança. As quebras de paradigmas, podem deixar o indivíduo confuso num primeiro momento, pois são coisas novas que se apresentam, no entanto, logo vencerá os obstáculos que surgem, e despertará para uma clareza de idéias a respeito de sua mudança e poderá verificar por conhecimento empírico se as mudanças pelas quais se dispôs a trilhar foram positivas ou negativas.
IRICI FELIPE BORGES FRANCO

JORNADA MÍSTICA


Devemos ser Águias no meio das galinhas

Muitas vezes passamos nossas vidas inteiras completamente sonâmbulos e robóticos, hipnotizados pelas regras dessa sociedade capitalista e individualista que nos cerca, não conseguimos parar mesmo que seja por alguns segundos e olhar para o nosso redor, ou mesmo olhar para o céu e refletir sobre as grandes questões que causam impacto para as pessoas que não estão cegas. Quem somos? De onde viemos? E para onde vamos? Estas perguntas bastante simples em seu formato podem levar o ser humano a compreeder melhor o real significado da vida. Devemos ser Águias para visualizarmos com mais clareza e nitidez os rumos que estamos trilhando em nossas vidas, e identificarmos se o caminho que estamos percorrendo, realmente nos direcionam para uma significação de nossas vidas.


IRICI FELIPE BORGES FRANCO

sábado, 26 de junho de 2010

POEMAS

Um dia você aprende… – Willian Shakespeare
Depois de algum tempo você aprende a diferença, a sutil diferença entre dar a mão e acorrentar uma alma. E você aprende que amar não significa apoiar-se, e que companhia nem sempre significa segurança ou proximidade. E começa aprender que beijos não são contratos, tampouco promessas de amor eterno. Começa a aceitar suas derrotas com a cabeça erguida e olhos radiantes, com a graça de um adulto – e não com a tristeza de uma criança. E aprende a construir todas as suas estradas no hoje, pois o terreno do amanhã é incerto demais para os planos, ao passo que o futuro tem o costume de cair em meio ao vão.

Depois de um tempo você aprende que o sol pode queimar se ficarmos expostos a ele durante muito tempo. E aprende que não importa o quanto você se importe: algumas pessoas simplesmente não se importam… E aceita que não importa o quão boa seja uma pessoa, ela vai ferí-lo de vez em quando e, por isto, você precisa estar sempre disposto a pedoá-la.

Aprende que falar pode aliviar dores emocionais. Descobre que se leva um certo tempo para construir confiança e apenas alguns segundos para destruí-la; e que você, em um instante, pode fazer coisas das quais se arrependerá para o resto da vida. Aprende que verdadeiras amizades continuam a crescer mesmo a longas distâncias, e que, de fato, os bons e verdadeiros amigos foram a nossa própria família que nos permitiu conhecer. Aprende que não temos que mudar de amigos: se compreendermos que os amigos mudam (assim como você), perceberá que seu melhor amigo e você podem fazer qualquer coisa, ou até coisa alguma, tendo, assim mesmo, bons momentos juntos.

Descobre que as pessoas com quem você mais se importa na vida são tomadas de você muito cedo, ou muito depressa. Por isso, sempre devemos deixar as pessoas que verdadeiramente amamos com palavras brandas, amorosas, pois cada instante que passa carrega a possibilidade de ser a última vez que as veremos; aprende que as circunstâncias e os ambientes possuem influência sobre nós, mas somente nós somos responsáveis por nós mesmos; começa a compreender que não se deve comparar-se com os outros, mas com o melhor que se pode ser.

Descobre que se leva muito tempo para se tornar a pessoa que se deseja tornar, e que o tempo é curto. Aprende que não importa até o ponto onde já chegamos, mas para onde estamos, de fato, indo – mas, se você não sabe para onde está indo, qualquer lugar servirá.

Aprende que: ou você controla seus atos e temperamento, ou acabará escravo de si mesmo, pois eles acabarão por controlá-lo; e que ser flexível não significa ser fraco ou não ter personalidade, pois não importa o quão delicada ou frágil seja uma situação, sempre existem dois lados a serem considerados, ou analisados.

Aprende que heróis são pessoas que foram suficientemente corajosas para fazer o que era necessário fazer, enfrentando as conseqüências de seus atos. Aprende que paciência requer muita persistência e prática. Descobre que, algumas vezes, a pessoa que você espera que o chute quando você cai, poderá ser uma das poucas que o ajudará a levantar-se. (…) Aprende que não importa em quantos pedaços o seu coração foi partido: simplesmente o mundo não irá parar para que você possa consertá-lo. Aprende que o tempo não é algo que possa voltar atrás. Portanto, plante você mesmo seu jardim e decore sua alma – ao invés de esperar eternamente que alguém lhe traga flores. E você aprende que, realmente, tudo pode suportar; que realmente é forte e que pode ir muito mais longe – mesmo após ter pensado não ser capaz. E que realmente a vida tem seu valor, e, você, o seu próprio e inquestionável valor perante a vida.

Willian Shakespeare